Segunda-feira, 24 de Maio de 2010

Síntese - Unidade e Diversidade da Sociedade Oitocentista

- O liberalismo político, triunfante em quase todos os Estados europeus no século XIX, instituiu um novo tipo de sociedade, baseado na igualdade jurídica de todos os cidadãos perante a lei, no respeito pelos direitos naturais dos homens e pela liberdade individual em todos os sectores. Este novo tipo de sociedade – a que se convencionou dar o nome de sociedade de classesaceita como únicas diferenças as resultantes do poder económico, das capacidades individuais e da profissão de cada um. Admite, deste modo, a mobilidade ascensional e descensional. O nascimento perde importância como critério de diferenciação social, como acontecia na sociedade de ordens do Antigo Regime.
Esta sociedade de classes encontrava-se dividida em três estratos: classe alta (associada à alta burguesia, a grande burguesia empresarial e financeira); as classes média; a classe baixa (o proletariado).

- A alta burguesia (grupo relativamente homogéneo) ocupava-se de actividades industriais e comerciais, assim como de financeiras e políticas. As Revoluções Agrícola e Industrial e o triunfo do Liberalismo proporcionaram a esta burguesia o poder económico e político.
Na primeira metade do século XIX, caracteriza-a um estilo de vida e valores culturais que se aproximam da velha aristocracia nobiliárquica. Leva uma vida mundana e aparatosa, da se destaca a organização de bailes e grandes recepções. Vive em residências apalaçadas, no campo ou na cidade, veste-se com elegância e de acordo com a moda, possui imensa criadagem, cultiva as aparências e preocupa-se com a reputação.
Progressivamente, esta alta burguesia vai ganhando consciência de classe, que a distancia quer da antiga aristocracia quer das classes inferiores suas contemporâneas. Afirma os seus próprios valores e comportamentos: o gosto pelo trabalho, a preocupação em poupar, a valorização do esforço pessoal, a importância dada à família e à educação vão-se impondo.
Apesar da imagem divulgada do self made man, era da burguesia que nascia a nova burguesia (o que constituía um entrave à igualdade de facto). O investimento na educação dos filhos, a transmissão dos bens familiares e a constituição de redes de solidariedade familiar levaram à formação de autênticas dinastias burguesas.

- Situação intermédia entre a classe dominante e as massas populares rurais ou urbanas, as classes médias eram, no século XIX, ainda muito incipientes (não obstante a sua contínua proliferação dos países desenvolvidos).
Caracterizada por uma profunda heterogeneidade (e daí preferir-se utilizar o plural, classes médias), era composta por pequenos comerciantes, empregados de loja, profissionais liberais (médicos, advogados, engenheiros, etc.) e funcionários ao serviço das empresas ou do Estado (os chamados colarinhos brancos).
Conservadoras e puritanas, as classes médias proliferam com o surto urbano e o consequente aumento do sector terciário (comércio e serviços ligados à educação, aos transportes, ao saneamento, etc.), assim como com o alargamento da instrução (a escolaridade primária obrigatória e gratuita torna-se algo comum nos países industrializados).
Orientam os seus comportamentos um conjunto de “virtudes públicas e domésticas”: são as defensoras dos “bons costumes”. O trabalho e a família são considerados os bastiões da sociedade. Defendem uma moral rígida, a ordem e a segurança públicas e demonstram respeito pelas convenções e pelas hierarquias. Procuram imitar os padrões de comportamento da alta burguesia e cultivam as aparências. Temem perder o emprego, mostram desconfiança em relação às classes populares e receiam a proletarização.

- A classe baixa (o proletariado), era o grupo social constituído por aqueles que tinham como único meio de subsistência a venda da sua força de trabalho, visto não terem acesso económico à propriedade.
A redução dos trabalhadores à condição de proletários foi uma consequência das transformações operadas no processo produtivo, agrícola e industrial, sob o signo do liberalismo económico e do capitalismo industrial. Assim, foi a industrialização, com o estabelecimento de grandes indústrias onde se implementaram as novas formas de racionalização do trabalho, que gerou a desvalorização da mão-de-obra e o surgimento do operariado proletário.
Usufruindo salários de miséria, porque submetidos à lei da oferta e da procura, os operários possuíam geralmente famílias numerosas (a prole), que viviam em precárias condições de habitação (nos subúrbios), onde a miséria, as doenças, a delinquência e o desregramento moral grassavam. Por sua vez, a insalubridade nas fábricas, os acidentes frequentes, o horário que rondava as 16 horas diárias, o desemprego constante agravado pela inexistência de mecanismos de apoio adequado e a exploração da mão-de-obra feminina e infantil constituíam condições de trabalho desumanas, marcadas pela exploração desenfreada da mão-de-obra.

- As precárias condições de vida e de trabalho do proletariado, fizeram emergir no seio dos operários a consciência colectiva da exploração a que se encontravam submetidos por parte da burguesia, e a ideia de que a reposição da justiça teria de ser conseguida através de um esforço de organização dos próprios operários – surgia assim o movimento operário.
De início, este movimento operário assumiu um carácter associativista, com a criação de organizações mutualistas de operários, de socorros mútuos. Posteriormente, o movimento assumiu uma feição mais violenta com o luddismo (destruição de máquinas, de fábricas e de outros bens do patronato). A insuficiência destas acções levou à formação de sindicatos, o instrumento de organização da classe operária por excelência, responsáveis pela realização de acções conscientes de reivindicação e de luta (negociações, manifestações, boicotes, greves).

- Um passo decisivo para a afirmação do movimento operário foi dado pelo aparecimento das doutrinas socialistas e pela sua articulação com os partidos políticos.
Na realidade, após as primeiras tentativas mais ou menos inconsistentes em torno da criação de cooperativas de produtores independentes, da extinção do Estado e da exploração do homem pelo homem (socialismo utópico: Proudhon, Saint-Simon, Robert Owen, Fourier), o socialismo científico ou marxista (Karl Marx, F. Engels) considerou a conquista do poder pelo operariado como a meta capaz de terminar com a exploração dos trabalhadores.
O marxismo defendia a abolição da propriedade privada, a nacionalização dos bens de produção e a criação de uma sociedade sem classes. Para tal, consideravam os marxistas, era necessário que o proletariado assumisse o comando político e económico (ditadura do proletariado).
O marxismo contribuiu também para a formação do materialismo histórico – concepção da história como o suceder de lutas de classes, de confrontos sociais entre opressores e oprimidos em busca da liberdade.
Um dos objectivos dos marxistas era a internacionalização do movimento operário, com a criação da Associação Internacional dos Trabalhadores (I Internacional: 1864-1876; II Internacional: 1889- 1914). Todavia, as divisões abertas no seu interior, entre marxistas, anarquistas (defendem a supressão de qualquer tipo de autoridade) e revisionistas (defendiam transformações sociais graduais e não violentas), juntamente com as tensões nacionalistas das vésperas da I Guerra Mundial (1914-18) acabaram por minar este objectivo.


Margarida às 22:14

link do post | comentar

Síntese - A Explosão Populacional, a Expansão Urbana, Migrações Internas e Emigração

O século XIX registou por todo o mundo, particularmente na Europa, um extraordinário aumento demográfico, a ponto de se falar em “explosão demográfica” (regime demográfico de transição).
O crescimento populacional (mais forte nos países de maior desenvolvimento industrial e cultural, como a Inglaterra, a Holanda e a Bélgica, seguida da França do Norte e da Alemanha) foi causado, numa primeira fase, pelo acentuado recuo da mortalidade – enquanto a natalidade permanecia elevada.
A diminuição da mortalidade é explicada fundamentalmente, pela melhoria geral das condições de vida, resultante dos seguintes factores:
* do desenvolvimento económico produzido pela Revolução Industrial e suas implicações na produção agrícola, na revolução dos transportes e no alargamento dos mercados internos;
* da melhor alimentação, o que fortaleceu o organismo humano permitindo-lhe reagir com maior sucesso às doenças e às epidemias, ainda frequentes;
* do desenvolvimento científico-técnico, que permitiu o avanço da Medicina, com progressos na farmacologia e na vacinação;
* dos progressos na higiene individual e colectiva (difunde-se o uso do sabão e do vestuário em algodão, a prática do banho torna-se mais regular e estabelecem-se redes de saneamento público).



- O século XIX foi também um século de surto urbano. Como consequência da industrialização, as cidades cresceram a um ritmo muito acelerado (em número, em extensão e em quantidade de população). O rápido crescimento urbano do século XIX é atribuído aos seguintes factores:
* ao crescimento demográfico;
* às alterações económicas provocadas pelas transformações nos campos e pela industrialização (a mecanização dos campos e as alterações no tipo de propriedade contribuem para o desemprego rural. As cidades, centros industriais e comerciais que oferecem maiores possibilidades de emprego, absorvem a mão-de-obra que o campo liberta – êxodo rural);
* ao incremento e desenvolvimento dos transportes, nomeadamente os caminhos-de-ferro;
* ao fascínio que as modernidades e as comodidades que a vida citadina parecia oferecer, pela novidade das realizações culturais e recreativas, correspondendo ao ideal de promoção social.

A concentração populacional, das indústrias, do comércio e dos serviços, nos espaços citadinos, levantou problemas de difícil resolução, problemas esses que se fizeram sentir de forma mais grave ao nível:
* da habitação: o espaço torna-se pequeno para albergar uma população que cresce rapidamente;
* da circulação: o incremento dos transportes, aliado à elevada densidade populacional, cria problemas de tráfego nas antigas ruas estreitas e sinuosas;
* do abastecimento: de água (cujo consumo exigiu novos meios de captação, tratamento e distribuição), de combustíveis e de bens alimentares;
* do saneamento e da saúde pública: a forte densidade populacional e a insuficiência de infra-estruturas de higiene e de saneamento faziam proliferar as epidemias (como a cólera e a tuberculose).
* da delinquência e do desregramento (criminalidade, alcoolismo, violência doméstica, mendicidade, prostituição), causados pela miséria extrema e pelo desenraizamento das populações que afluíam à cidade.

Os problemas sentidos pelas cidades estiveram na origem de intervenções urbanísticas que alteraram a fisionomia da cidade:
* no centro, onde se encontram os edifícios governamentais e de negócios, criam-se redes de saneamento, pavimentam-se ruas, iluminam-se essas mesmas ruas (a gás ou a energia eléctrica), abrem-se espaços verdes, constroem-se áreas de lazer e de cultura;
* os bairros adjacentes prolongam o centro, servindo de área residencial para os ricos, para as elites urbanas;
* os subúrbios, “dormitórios” dos operários, caracterizados pela insalubridade das ruas e das habitações.

 



- O século XIX produziu, em todo o Mundo desenvolvido, impressionantes fluxos migratórios que, embora difíceis de contabilizar com precisão, são unanimemente reconhecidos como os maiores da História.
A Europa foi o continente que registou a maior mobilidade populacional, quer dentro quer fora das suas fronteiras (“explosão branca” no mundo). Este fenómeno migratório foi favorecido pelo elevado crescimento demográfico, pelas crises económicas (desemprego e miséria), pelas perseguições políticas e religiosas às quais muitos grupos e povos foram sujeitos, pelo desejo de encontrar condições de promoção social e pela simples curiosidade científica.
Estes movimentos demográficos geraram correntes de migrações internas e de emigração.

Migrações internas:
a) deslocações sazonais: movimentos temporários de populações que percorriam várias regiões atraídas por trabalhos próprios de cada estação do ano e de cada região.
b) êxodo rural: normalmente migrações definitivas do campo para a cidade, provocadas pela introdução de práticas capitalistas nos campos e pelo desejo individual de promoção social. Envolveu sobretudo as camadas jovens, provocando enormes implicações como a diminuição da população rural, o envelhecimento da população camponesa, o atraso e estagnação do mundo rural e o rejuvenescimento e carácter mais progressivo das cidades.

Emigrações:
a) dentro do espaço europeu, a tendência verificou-se sobretudo entre os países menos desenvolvidos e os mais industrializados, embora a fuga de situações de conflito, assim como factores de ordem política e religiosa pudessem acontecer.
b) fora do espaço europeu, os EUA, país abundante em terras e oportunidades e carenciado de homens, foram o principal destino dos fluxos emigratórios europeus. No final do século, também a América Latina, em especial o Brasil, que também se debatia com falta de mão-de-obra devido à expansão da cultura do café e à abolição da escravatura, recebe massas importantes de emigrantes portugueses, espanhóis e italianos.
tags:

Margarida às 22:05

link do post | comentar

Síntese - As Transformações Económicas na Europa e no Mundo

- A partir de 1850-70, a industrialização entra numa fase de maturidade. É a chamada “segunda revolução industrial”, caracterizada pela utilização de novas fontes de energia (electricidade, petróleo) e de novas tecnologias (exp.: motor de explosão), pelo progresso da siderurgia e da indústria química e pela estreita ligação entre o laboratório e a fábrica, ou seja, entre a ciência e a técnica, cujos progressos cumulativos explicam o surto de grandes invenções na segunda metade do século XIX e princípios do século XX.

- O alargamento dos mercados e a intensificação da concorrência (fruto da implementação do livre-cambismo) levaram as empresas a criar novas estratégias de organização empresarial. No último terço do século XIX, a conjuntura de baixa de preços favoreceu as tendências monopolistas expressas na concentração industrial (horizontal – controlo de uma determinada fase do processo produtivo; e vertical – integração de diferentes empresas ligadas às diversas fases de produção) e bancária.

- Os objectivos da produção em massa e da redução dos custos levaram à racionalização do trabalho, conseguida através da “organização científica do trabalho”, que implicava a divisão e especialização do trabalho, a mecanização e a criação de linhas de montagem (taylorismo e fordismo). Os resultados foram a produção estandardizada e em larga escala, o aumento da produtividade e do lucro, e os efeitos negativos da desumanização do trabalho e da desvalorização da mão-de-obra.

- A ocorrência de crises cíclicas constitui um traço constante da evolução do capitalismo industrial. As crises de superprodução (o consumo é insuficiente para tanta oferta) decorrem de um factor estruturante do próprio sistema capitalista: a procura incessante do aumento da produtividade e do lucro; a procura de um sistema em que o capital gera mais capital.

- Durante o século XIX e até ao início da I Guerra Mundial (1914), verifica-se um crescimento notável das trocas internacionais, tendo a Europa (e, principalmente, a Grã-Bretanha, embora com a concorrência de novas potências industriais e coloniais como a Alemanha, a França, a Holanda e a Bélgica; e, fora do continente, os EUA e o Japão) como pólo dominador. O padrão do comércio internacional assenta então na troca de matérias-primas e produtos alimentares dos países periféricos, não industrializados, por produtos manufacturados, enquanto os próprios países industrializados trocam entre si bens materiais.

- Esta interdependência incrementou o multilateralismo das trocas, promovendo a divisão internacional do trabalho, que, a par do reforço do colonialismo, acentuou a situação de dependência dos países/regiões periféricos face às potências centrais industrializadas.
Na própria Europa, as diferenças de ritmo de desenvolvimento económico eram notórias, fruto do atraso agrícola e da permanência de formas de economia tradicional (como as unidades de produção de tipo familiar e o sistema de produção artesanal, ou a existência de vendedores ambulantes e de pequenas feiras locais e regionais) de certas regiões (principalmente na Europa Continental e Meridional).
tags:

Margarida às 21:55

link do post | comentar

Sábado, 10 de Abril de 2010

Capitalismo financeiro

H. Schneider, proprietário das fábricas Creusot, justiça o papel do capital

 
Pensa que não é necessário dinheiro para fazer andar uma “casa” como esta? Pois bem! Quem trará esse dinheiro para a fábrica? Ao lado do director, da cabeça, há o capitalista (…), que entra com a grande quantia. É o capital que alimenta diariamente as fábricas em maquinaria aperfeiçoada; é o capital, sem o qual nada é possível, que alimenta o próprio operário. Não representa o capital uma força que deve ter a sua parte nos lucros? Não é ele o colaborador indispensável (…)? (…).

Vejamos: tenho um cavalo e você vem pedir-me que lho empreste (…). Porque pensa que eu lho havia de emprestar   sem nenhuma contrapartida? Não lho emprestarei, simplesmente! Do mesmo modo, se suprimirão capital o seu lucro, não encontrará quem lho empreste, quando tiver necessidade.

 

HURET, J., Enquête sur la Question Sociale, 1896

 


Margarida às 19:19

link do post | comentar

A fábrica: Uma forma revolucionária de trabalho

 

 

A fábrica era realmente uma forma revolucionária de trabalho, com o seu fluxo lógico de processos, cada qual uma máquina especializada a cargo de um “braço” especializado, todos ligados pelo ritmo constante e desumano do “motor” e pela disciplina da mecanização. Acrescente-se a isto a iluminação a gás, a arquitectura metálica e o fumo das chaminés.
Embora os salários fabris tendessem a ser mais altos que os da indústria doméstica (…), os trabalhadores eram relutantes em trabalhar nelas, pois ao fazê-lo as pessoas perdiam aquele direito com que haviam nascido – a independência.

 

HOBSBAWM, Eric J., Da Revolução Industrial Inglesa ao Imperialismo, Forense, 1969

 


Margarida às 19:15

link do post | comentar

A ligação Ciência-Técnica

 I - A partir de 1870 a indústria adopta novas manifestações na sua estrutura e nas suas formas ao ponto de alguns historiadores da economia, para qualificar a nova época que então se inicia, falarem de uma segunda revolução industrial. É a época da utilização de novas fontes de energia (electricidade, petróleo), de grandes inventos científicos (motor de explosão, telefone, corantes sintéticos, etc.) e da concentração industrial. Em contraste com a primeira, esta segunda revolução industrial é o resultado da estreita ligação da ciência e da técnica, do laboratório e da fábrica. (…)

Neste processo, a técnica teve uma participação eficaz e o laboratório converteu-se em peça indispensável do complexo industrial, que tinha que combinar o duplo aspecto – técnico e económico – da produção. O mercado competitivo, aspecto essencial do dinamismo criador capitalista, foi o propulsor da renovação técnica.
Ao vapor, motor energético da primeira revolução industrial, vêm juntar-se o petróleo e a electricidade que acabaram por lhe tirar o seu papel dominante. A electricidade já era conhecida pelas experiências de laboratório (Volta, 1780, Faraday, 1831), mas a sua utilização industrial dependia da produção a baixo custo e sobretudo da transmissão à distância (…).

Foi o francês Marcel Deprez, em 1881, quem resolveu o problema do transporte da energia utilizando um fio condutor, entre duas cidades situadas a 57 km de distância, com um rendimento de 45%. (…). O americano Edison conseguiu em 1879 fabricar a lâmpada incandescente (…). Nos transportes, a primeira locomotiva eléctrica foi construída em Berlim, em 1879, por Ernst Siemens.

A aplicação industrial do petróleo inicia-se, ao substitui, desde 1853, o azeite das lâmpadas. Em 1859 realizaram-se perfurações profundas em Oil Creek (Titusville) e Rockfeller instala em Cleveland a primeira refinaria. Começa assim a febre do ouro negro (…).
 

  

PRADA, V. V. de, História Económica Mundial, Lisboa, Civilização, vol. II, 1986, pp. 207-209 (adaptado)

  

  

  

 

 

 II – Técnica e ciência tornam-se elementos naturais do crescimento dos países capitalistas. E os homens também evoluem: ao artífice engenhoso sucedem o investigador, o técnico e o engenheiro. (…) As grandes escolas e os institutos especializados proporcionam promoções aos jovens ao serviço da técnica industrial (…). O desenvolvimento científico e técnico será em breve perfeitamente controlado pelos empresários e utilizado por eles em função das possibilidades e das esperanças do lucro.

 

(…) A técnica e a ciência, servas do capitalismo, contribuem para a baixa dos preços de custo e a manutenção do lucro. Só depois as ideologias do progresso científico e do positivismo poderão dar às boas consciências burguesas os álibis mais variados e confundir lucro e civilização.

RIOUX, Jean-Pierre, A Revolução Industrial, Lisboa, Dom Quixote, 1978

 

 

 


Margarida às 18:43

link do post | comentar

Romantismo

 

 

I - Romantismo, revolução e nacionalismo

Aquilo que determina o florescimento ou a decadência das artes, em qualquer época, é ainda um facto muito obscuro. Contudo, não resta dúvida de que, entre 1789 e 1848, a resposta tem de se ir buscar ao impacto da dupla revolução. Se uma só frase enganadora resumisse as relações do artista e da sociedade neste período, poderíamos dizer que a Revolução Francesa inspirou o artista pelo seu exemplo, a Revolução Industrial pelo seu horror e a sociedade burguesa, que emergiu de ambas, transformou a sua própria existência e modos de criação.

 


Durante este período, é um facto indesmentível que os artistas eram directamente inspirados pelas questões públicas e que nelas se deixavam envolver. (…)

 


O elo entre as questões públicas e as artes é particularmente forte nos países em que se desenvolvia uma consciência nacional, ou em que se geravam movimentos de libertação ou de unificação nacional. Não é por mero acaso que o ressurgimento ou o dealbar das culturas eruditas nacionais da Alemanha, da Rússia, da Polónia, da Hungria, dos países escandinavos e doutras partes coincidiam – e em muitos casos seriam a sua primeira manifestação – com a afirmação da supremacia cultural da língua vernácula e do povo autóctone, contra uma cultura aristocrática cosmopolita que se servia frequentemente de um idioma estrangeiro.

É natural que tal nacionalismo tenha encontrado a sua expressão cultural mais evidente na literatura e na música, ambas artes públicas que podiam, além do mais, ir beber à poderosa herança criadora da gente comum – a língua e o folclore. 

HOBSBAWM, E. J., A Era das Revoluções (1789-1848), Lisboa, Editorial Presença


II - A Arte do Romantismo


Ao varrer todos os vestígios das correntes neoclássicas anteriormente dominantes na literatura e na arte, o romantismo manifesta algo que constitui um dos signos essenciais da arte do século XIX: o espírito individualista. Afastando-se voluntariamente de todas as regras tradicionais, o romântico parece que busca o isolamento para se interrogar acerca dos mais graves problemas do homem (o do destino, o de Deus), quiçá esperançado em encontrar em si próprio revelações geniais.

Mas o romantismo pressupõe, acima de tudo, um estado de exaltação; nele não se concebe a serenidade. “Ser romântico”, disse Novalis, “é dar ao quotidiano um sentido elevado, ao conhecido, o prestígio do que desconhece, ao finito, o esplendor do infinito”.

Pressupõe, pois, um exacerbamento passional (que não é necessariamente de natureza amorosa). Já no seu último período, o século XVIII havia nutrido esse estado de espírito mediante certos elementos imaginativos que actuam sobre a alma dominada por essas tendências como um poderoso excitante. Os românticos cultivaram à larga todas as manifestações da fantasia. Uma das suas ideias fixas era a da morte, que veio a tornar-se no período do romantismo a grande obsessão. Daí o interesse pela noite, que no período pré-romântico do século anterior já aparecia como uma prefiguração da morte.

 
A fuga do real para o imaginário foi outro dos sintomas românticos. Sonha-se com países longínquos, e, pela imaginação, cada um se evade para o passado, em especial para a Idade Média, da qual se forjou uma ideia poética e vaga. 

in PIJOAN, José, História da Arte, Lisboa, Publicações alfa, vol. 8,


Margarida às 15:58

link do post | comentar

Segunda-feira, 1 de Março de 2010

A Revolução Liberal Portuguesa - Sínteses - 5.ª

 
A Guerra Civil (1832-34)

O radicalismo da Revolução Liberal de 1820 e da Constituição de 1822 suscitou uma forte oposição das ordens privilegiadas (lideradas por D. Miguel, segundo filho do rei D. João VI): golpes contra-revolucionários da Vilafrancada (1823) e da Abrilada (1824).
Perante o fracasso destas duas tentativas de restauração da velha ordem social e política, D. Miguel é intimado a abandonar Portugal, exilando-se em Viena (Áustria).

Em 1826, com a morte de D. João VI, sobre ao trono D. Pedro IV. Imperador do Brasil, o novo rei abdica do trono português em favor da filha, D. Maria da Glória, mas não sem antes outorgar a Carta Constitucional (1826) e impor duas condições: o casamento da filha com o tio, D. Miguel, que exerceria a regência do Reino até à maioridade da rainha, e o juramento por este do novo texto constitucional.

De regresso a Lisboa em 1828, D. Miguel jura a Carta e assume a regência, mas rapidamente esquece os compromissos declarados e faz-se aclamar rei absoluto.

D. Pedro decide então abdicar do trono imperial do Brasil (a favor do filho, D. Pedro de Alcântara) e regressar a Portugal para defender os interesses da filha, assim como a Monarquia Constitucional.

Nos Açores (Ilha Terceira), onde deflagrara uma revolta liberal contra o absolutismo, D. Pedro estabelece o quartel-general da resistência liberal, chamando ali todos os exilados e revoltosos liberais que quisessem lutar pela deposição do rei usurpador, D. Miguel.

Em 1832, desembarca na Praia do Pampelido, perto de Mindelo, e dirigem-se para o Porto. As tropas miguelistas cercam a cidade (Cerco do Porto, que durou cerca de um ano). O duque da Terceira, numa tentativa de aliviar a pressão sobre a cidade pelos absolutistas, lidera uma esquadra rumo ao Algarve e aí desembarca um pequeno exército que, sem grande resistência, atravessa o Alentejo e entra vitorioso em Lisboa.

Em 1834, as vitórias liberais nas batalhas de Almoster e Asseiceira foram o remate final. D. Miguel depôs as armas e assinou a Convenção de Évora-Monte. D. Miguel foi, novamente, obrigado a abandonar o país, desta vez para não mais regressar.

A partir desta data, o liberalismo assentou definitivamente em Portugal e a Monarquia Constitucional impôs-se para só terminar em 1910, com a instauração da República.
 

Margarida às 23:47

link do post | comentar

A Revolução Liberal Portuguesa - Sínteses - 4.ª

 
A Carta Constitucional de 1826 - oposição ao Vintismo

Contexto da outorga da Carta Constitucional por D. Pedro IV, em 1826:

- oposição e reacção dos sectores mais conservadores da sociedade (liderados por D. Miguel) aos princípios defendidos pelo Vintismo e consagrados na Constituição de 1822:
* 1823 – Vilafrancada;
* 1824 – Abrilada

- situação de indefinição política após a morte de D. João VI, em 1826 (processo de sucessão conflituoso: D. Pedro, o primogénito de D. João VI era Imperador do Brasil)


Características:

- carácter conservador e moderado – solução de compromisso entre os interesses e valores democráticos e antidemocráticos;

- divisão quadripartida do poder:
* Legislativo: Cortes – bicamaralismo (Câmara dos Deputados, eleita por 4 anos; Câmara dos Pares, de nomeação régia, a título vitalício e hereditário);
* Executivo: Rei e Ministros;
* Judicial: Juízes e Jurados;
* Moderador: Rei (conciliar interesses diferentes; manter o equilíbrio entre os demais poderes): o rei pode convocar as Cortes, dissolver a Câmara dos Deputados, nomear e demitir o Governo, suspender magistrados, conceder amnistias e perdões e vetar, a título definitivo, as resoluções das Cortes.

- supremacia política do Rei;

- sufrágio indirecto e censitário para a Câmara dos Deputados (posse de, pelo menos, 100 mil réis de renda líquida anual).

A Carta Constitucional, que constituiu a grande referência do Cartismo, era aceitável para as ordens tradicionais privilegiadas e agradava aos proprietários e grandes burgueses.
 

Margarida às 23:43

link do post | comentar

A Revolução Liberal Portuguesa - Sínteses - 3.ª

 
A Independência do Brasil

O processo de emancipação do Brasil - cronologia:

- Desenvolvimento Interno

* a partir de 1808
- estância da corte portuguesa (despesas em obras públicas e em infra-estruturas culturais)

* 1808
- abertura dos portos brasileiros às “nações amigas”


- Resoluções das Cortes Constituintes

* 1821
- exigência de regresso da família real
- formação de Juntas Provisórias de Governo dependentes da metrópole
- subordinação jurídica e militar do Brasil

* 1822
- Constituição de 1822: união real com o Brasil
- ordem de regresso de D. Pedro


- O Caminho para a Independência

* 1815
- Elevação do Brasil à categoria de reino

* 1822
- Proclamação da independência do Brasil (07 de Setembro)

* 1825
- Reconhecimento da independência do Brasil

A perda do Brasil constitui um rude golpe para a economia portuguesa (o Brasil era uma importante fonte de rendimento para a economia portuguesa, quer como fonte de matérias-primas quer como mercado de consumo dos produtos industriais portugueses) e significou o primeiro passo na desagregação do Império Colonial Português.
 

Margarida às 23:41

link do post | comentar

A Revolução Liberal Portuguesa - Sínteses - 2.ª

 
Legislação Vintista e Constituição de 1822

As Cortes Constituintes, eleitas em 1821, estabeleceram as bases do novo regime liberal, através da elaboração e promulgação da Constituição de 1822.
Este primeiro texto constitucional português, jurado pelo Rei D. João VI após o seu regresso do Brasil (em 1821), é um documento progressista e extremamente revolucionário para a época.

Nesta constituição proclama-se, à semelhança dos ideais iluministas:

- a defesa dos direitos individuais (liberdade, igualdade, propriedade) e o fim das desigualdades sociais jurídicas que caracterizavam a sociedade de Antigo Regime (fim dos privilégios e dos direitos feudais);

- a soberania da Nação e o contrato social, restringindo assim os poderes atribuídos ao rei (fim da Monarquia Absolutista e consagração de um regime de Monarquia Constitucional);

- a divisão e separação dos poderes (legislativo, executivo e judicial); supremacia do poder legislativo (atribuído às Cortes);

- o sufrágio directo (proclama-se também o sufrágio universal. No entanto, apenas votavam os varões com mais de 25 anos; ficavam excluídos os analfabetos, as mulheres, os frades e os criados de servir).

A Constituição de 1822 consagra também aspectos específicos do liberalismo português:

- a falta de liberdade religiosa (a união entre o Trono e o Altar: o Catolicismo é a religião oficial do Estado);

- a defesa de uma Nação colonialista: definição de Nação como o conjunto dos territórios da metrópole e das suas colónias (política contra a crescente emancipação do Brasil).
 

Margarida às 23:40

link do post | comentar

A Revolução Liberal Portuguesa - Sínteses - 1.ª

 
A Revolução Liberal Portuguesa de 1820

 
As Revoluções Americana e Francesa e as guerras napoleónicas tiveram um enorme impacto na Europa e na América. Umas e outras fizeram com que o liberalismo e a contestação ao Antigo Regime ganhassem uma nova força.
Em Portugal, a revolução estalaria em 1820.

Factores:

- Políticos:
* Portugal, atendendo à velha aliança com a Inglaterra, rejeita as determinações do Bloqueio Continental (1806 – Napoleão exige o encerramento dos portos portugueses à navegação e comércio da Inglaterra);
* Invasões Francesas (1807-1811);
* Ausência da família real e da Corte portuguesa no Brasil
* Domínio inglês (Beresford);
* Permanência da família real no Brasil, mesmo após o fim das invasões francesas;
* Elevação do Brasil à categoria de Reino (1815)

- Económico-financeiros:
* Desorganização das estruturas económicas nacionais, decorrente das invasões francesas;
* Abertura dos portos brasileiros às nações aliadas (1808) e Tratado de Livre-Câmbio com a Inglaterra (1810) – concorrência comercial estrangeira

- Sociais:
* Sobrecarga de impostos sobre as camadas populares;
* Descontentamento da Burguesia comercial e industrial (incapaz de fazer face à concorrência estrangeira, especialmente inglesa)

- Ideológicos:
* Propagação dos ideais iluministas e liberais (Invasões Francesas, presença inglesa em Portugal, Maçonaria, Sinédrio e imprensa clandestina)

Em 24 de Agosto de 1820, durante uma deslocação do general Beresford ao Brasil, eclodiu um levantamento militar no Porto, enquadrado no Sinédrio, que tinha objectivos muito precisos: exigir o regresso do rei, afastar o domínio britânico e estabelecer uma monarquia constitucional.

Margarida às 23:38

link do post | comentar

Sábado, 9 de Maio de 2009

Idade Média: O Gótico

tags:

Margarida às 18:38

link do post | comentar

O Mundo depois da Guerra Fria


Margarida às 18:25

link do post | comentar

Guerra Fria


Margarida às 18:22

link do post | comentar

Quarta-feira, 6 de Maio de 2009

Renascimento

 

 O Renascimento foi um movimento de ordem artística, cultural e científica que se desenvolveu na passagem da Idade Média para a Moderna. O renascimento defende um conjunto de contrários aos valores apregoados pelo pensamento medieval, apresentando um novo conjunto de temas e interesses aos meios científicos e culturais de sua época. Ao contrário do que possa parecer, o renascimento não pode ser visto como uma radical ruptura com o mundo medieval.

 

 

 


Margarida às 09:28

link do post | comentar

Quarta-feira, 11 de Fevereiro de 2009

Arte Renascentista / Vaticano

Documento de apoio às aulas do 8º ano

Tema: A arte Renascentista / O vaticano

.
tags:

Margarida às 19:17

link do post | comentar

Sexta-feira, 2 de Janeiro de 2009

Mais anos 70

Vá lá meninas.. . convidem os rapazes!

Vamos trabalhar !!!

tags:

Margarida às 17:29

link do post | comentar | ver comentários (2)

Para as meninas do 9º B

Olá meninas,

Quero ver essa coragem para agarrarem uma festa anos 70. 

Vamos pôr a escola a mexer!!! 

 

tags:

Margarida às 17:08

link do post | comentar | ver comentários (3)

Ruptura e inovação nas artes e na literatura

Porque as férias do Natal estão a chegar ao fim, está na hora de voltar ao trabalho.

Alunos do 9º ano da Escola E.B. 2/3 de Nevogilde, é aqui que retomamos a matérias de História.

 

Quero lembrar que tinham para ler "Vinhas da Ira". Espero que tenham gostado. Quem ainda não leu, é mesmo para ler, eu não esqueci!

 

 

Margarida às 01:37

link do post | comentar

Momentos da História Universal ou um pouco mais próxima... Pretende estimular a autonomia dos alunos e o gosto pelo conhecimento do passado. Projecto BlogN - EB 2/3 de Nevogilde

Actividades/História

posts recentes

Síntese - Unidade e Diver...

Síntese - A Explosão Popu...

Síntese - As Transformaçõ...

Capitalismo financeiro

A fábrica: Uma forma revo...

A ligação Ciência-Técnica

Romantismo

A Revolução Liberal Portu...

A Revolução Liberal Portu...

A Revolução Liberal Portu...

A Revolução Liberal Portu...

A Revolução Liberal Portu...

Idade Média: O Gótico

O Mundo depois da Guerra ...

Guerra Fria

Renascimento

Arte Renascentista / Vati...

Mais anos 70

Para as meninas do 9º B

Ruptura e inovação nas ar...

Cultura de Massas / Inova...

"A Canção de Lisboa"

"Os Loucos Anos 20"

TEMA: Sociedade e Cultura...

Revolução Industrial II

Revolução Francesa: O iní...

O Feudalismo

Queda do Império Romano

Música que fará história

Origem e difusão do Crist...

Homenagem - José Hermano ...

Sociedade e cultura num m...

Estado Novo

Música que faz história

Civilização Grega

Revolução Industrial I

25 de Abril, 18:39h

25 de Abril, 00:20h

24 de Abril, 22:55h

A nossa Freguesia - Lodar...

Maio 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
25
26
27
28
29

30
31


arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Maio 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Contador: 03/01/08

tags

11º ano(3)

25 de abril(3)

7º ano(4)

8º ano(4)

9º ano(12)

alunos(1)

anos 20(3)

anos 70(2)

capitalismo financeiro(1)

carnaval(1)

civilização grega(1)

comboio(1)

cristianismo(1)

democracia(1)

estado novo(1)

feudalismo(1)

guerra fria(2)

hinos(2)

homenagem(1)

jhsaraiva(1)

lisboa(1)

lodares(1)

lousada(1)

música(1)

o gótico(1)

queda do império(1)

renascimento(2)

revolução francesa(1)

revolução industrial(2)

revolução liberal 1820(5)

romantismo(1)

século xix(4)

segunda guerra(1)

sociedade e cultura(2)

todas as tags

mais sobre mim