Quarta-feira, 11 de Fevereiro de 2009

Arte Renascentista / Vaticano

Documento de apoio às aulas do 8º ano

Tema: A arte Renascentista / O vaticano

.
tags:

Margarida às 19:17

link do post | comentar

Terça-feira, 10 de Junho de 2008

Revolução Industrial II

 

Documento de apoio às aulas do 8º ano de escolaridade.


Margarida às 22:16

link do post | comentar

Segunda-feira, 26 de Maio de 2008

Revolução Francesa: O início da Grande Revolução

O descontentamento social

  • Mantinha as características de uma sociedade do Antigo Regime:
    • economia predominantemente agrícola;
    • predomínio das ordens privilegiadas;
    • monarquia absoluta de direito divino.
  • Clero e Nobreza estavam isentos de impostos e ocupavam os principais cargos públicos;
  • As classes privilegiados possuiam mais de 40% das propriedades agrícolas o que revoltava a grande maioria da população constiuída pelo 3º Estado (98%);
  • Os camponeses estavam subcarregados de impostos pagos ao rei, obrigações senhoriais e suportavam a humilhante justiça senhorial;
  • Os artesãos e assalariados queixavam-se da falta de emprego, dos baixos salários e da subida dos preços;
  • A Burguesia, apesar de ser o grupo social mais culto e endinheirado, não tinha acesso aos principais cargos públicos.

Todos estes factores levaram o 3º Estado (Burguesia e Povo) a apoiarem as ideias ILUMINISTAS  de LIBERDADE e IGUALDADE.

 

Crise económica e financeira

  • Maus anos agrícolas fizeram subir os preços dos cereais;
  • Para resolver a crise financeira, uma das soluções apontada foi a de fazer os grupos privilegiados pagarem impostos;
  • Clero e Nobreza opuseram-se;
  • Para encontrar uma solução, Luís XVI convocou os Estados Gerais. (Assembleia em que se reuniam, em França, os representantes das três ordens sociais com representantes de cada provincia.)

Os Estados Gerais

Abertura solene teve lugar em 5 de Maio de 1789.

  • Os representantes do 3º Estado entraram de imediato em conflito com os privilegiados;
  • O 3º Estado recusou a tradicional forma de votação, por ordem social, exigindo a votação por deputados o que lhes daria a vitória nas votações.

Dos Estados Gerais à Assembleia Constituinte

  • Face à dificuldade de encontrar um acordo, os representantes do 3º Estado, alegando que representavam 98% da população declararam-se Assembleia Nacional;
  • O rei foi obrigado a ceder;
  • A Assembleia designou-se Assembleia Nacional Constituinte, uma vez que tinham por objectivo a elaboração de uma nova Constituição.
  • Na prática, era o fim da monarquia absolutista.

Reacção absolutista e resposta popular

O rei resolveu reagir:

  • Mandou avançar as tropas para cercarem Paris;
  • Em resposta o povo saiu para as ruas e organizou-se;
  • A burguesia tomou o poder municipal e criou a Guarda Nacional;
  • Foram levantadas barricadas;
  • No dia 14 de Julho de 1789 assaltou a prisão-fortaleza da Bastilha;
  • Por toda a França, os camponeses enfurecidos atacavam os castelos senhoriais.

Acção da Assembleia Constituinte

Acção legislativa entre 1789 / 1791:

  • Abolição dos direitos feudais (corveias, justiça senhorial, etc.);
  • Extinção da dizima paga ao clero; (ver doc.4)
  • Publicação da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (ver doc.2), onde se defendia:
    • a igualdade de todos os cidadãos perante a lei;
    • o direito à liberdade individual e à propriedade;
    • princípio da soberania popular.
  • Aprovação da Constituição de 1791 que instaurou uma monarquia constitucional baseada na separação dos poderes:
    • poder executivo pertencia ao rei;
    • poder legislatívo a uma assembleia eleita;
    • poder judicial a juizes independentes.

A Assembleia Constituinte não estabeleceu a igualdade política de todos os cidadãos.

Foi aprovado o sufrágio censitário - só tinham direito a voto os cidadãos que dispunham de um certo grau de riqueza.

 

Para reflexão:

1 - Qual o objectivo fundamental da Declaração dos Direitos do Homem e do cidadão?

2 - Analisar a Constituição de 1791. A que parte da população cabiam as decisões políticas?

3 - Seria uma Constitução democrática?

4 - Elaborar uma comparação com a Constitução portuguesa actual.

5 - Comentar a posição assumida pelas classes privilegiadas. (doc.4)


Margarida às 00:18

link do post | comentar | ver comentários (3)

Sábado, 3 de Maio de 2008

Revolução Industrial I

 

Mas as condições adequadas estavam visivelmente presentes na Grã-Bretanha, onde mais de um século passara desde que pela primeira vez um rei fora julgado e executado pelo seu povo e desde que o lucro privado e o desenvolvimento económico eram aceites como os objectivos supremos da política governamental.

Para fins práticos, fora já encarada a solução revolucionária britânica para o problema agrário. Um número relativamente pequeno de proprietários de terras imbuídos de espírito comercial já quase que monopolizava a terra, que era cultivada por rendeiros, os quais, por seu turno, empregavam trabalhadores sem terra ou pequenos agricultores.

Existiam ainda muitas relíquias da antiga economia colectiva de aldeia, que seriam absorvidas pelas Leis dos Cercados (1760-1830) e por transacções privadas, mas a verdade é que não podemos falar de um «campesinato britânico» no mesmo sentido em que falamos de campesinato francês, alemão ou russo.

A agricultura destinava-se já predominantemente ao mercado; as manufacturas há muito que estavam espalhadas por um campo que deixava de ser feudal. (...) O primeiro factor, e talvez mais crucial, que tinha de ser mobilizado e desenvolvido, era a mão-de-obra, portanto uma economia industrial implica um acentuado declínio proporcional da população agrícola (isto é, rural) e um acentuado aumento da população não agrícola (isto é, cada vez mais urbana) e, quase certamente, como acontece no nosso período, um rápido aumento geral da população. Insto implica, portanto, para começar, um aumento notário no abastecimento de alimentos, sobretudo a partir da agricultura interna - ou seja, uma «REVOLUÇÃO AGRÍCOLA»

E.J. Hobsbawm, A Era das Revoluções, Editorial Presença, 1992

 

Após a leitura do texto, responde as seguintes questões: 1 - Identifica o país onde se processou a revolução agrícola.

 

2 - Apresenta as condições que lhe permitiram iniciar essa revolução.

3 - Explica a relação que o texto estabelece entre a revolução agrícola e a revolução industrial.

Prof. Margarida Moreira

 

 

 

 

Margarida às 19:51

link do post | comentar

Momentos da História Universal ou um pouco mais próxima... Pretende estimular a autonomia dos alunos e o gosto pelo conhecimento do passado. Projecto BlogN - EB 2/3 de Nevogilde

Actividades/História

posts recentes

Arte Renascentista / Vati...

Revolução Industrial II

Revolução Francesa: O iní...

Revolução Industrial I

Maio 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
25
26
27
28
29

30
31


arquivos

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Maio 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Contador: 03/01/08

tags

11º ano(3)

25 de abril(3)

7º ano(4)

8º ano(4)

9º ano(12)

alunos(1)

anos 20(3)

anos 70(2)

capitalismo financeiro(1)

carnaval(1)

civilização grega(1)

comboio(1)

cristianismo(1)

democracia(1)

estado novo(1)

feudalismo(1)

guerra fria(2)

hinos(2)

homenagem(1)

jhsaraiva(1)

lisboa(1)

lodares(1)

lousada(1)

música(1)

o gótico(1)

queda do império(1)

renascimento(2)

revolução francesa(1)

revolução industrial(2)

revolução liberal 1820(5)

romantismo(1)

século xix(4)

segunda guerra(1)

sociedade e cultura(2)

todas as tags

mais sobre mim